"E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus."
Romanos 12:02


Suélen Rodrigues
Sou inconformada mesmo, inconformada com o pecado, com o egoísmo, com o comodismo, com o orgulho, com o mundo, entre outras coisas...

Paulo quando escreve aos romanos "Não vos conformeis com este mundo...", ele diz que nós não podemos de maneira alguma, deixar as coisas simplesmente acontecerem como se nada ocorresse bem diante dos nossos olhos.

E ainda há aqueles que se conformam, e eles dizem:

1 • "um pecadinho ali e aqui ninguém vê." (Pecado é pecado, e as consequencias vem)
2 • "Não vou dar 2% dos meus 10 reais, porque se não vai faltar dinheiro para comprar uma roupa nova, um carro novo até o final do ano" (Quando vc abençoa, vc é abençoado 10x mais, e egoísmo não é de Deus irmãozinhos)
3 • "Não vou voltar atrás, sou pessoa de uma palavra só" (Quem da a ultima palavra é Deus)
4 • "Deixem esse povo que se matem, que falem um do outro, pouco me importo, aqui debaixo das cobertas e na frente da TV esta muito bom, não vou perder meu tempo indo la ajudar" (Vendo pessoas indo para o inferno, e não fazer nada...é vc corre o risco de ir junto, por saber que poderia ter salvo uma vida, mas o comodismo não deixou) 

Cara, fico de cara com isso... e eu me pergunto, aonde isso vai parar? E a santidade, e a conversão? Será que realmente houve?

Mas Paulo continua "mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito" e como isso é possível? Através da palavra de Deus, através do evangelho, através de você! Somente os verdadeiros cristãos, aqueles que tiveram um encontro com Jesus verdadeiramente, podem discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito...é claro que a intimidade com Deus nos leva a ficar sensivel a voz do Espírito Santo e é o que nos leva a ficar mais perto do Pai, nos fazendo transformar o mundo com o verdadeiro amor! #BoaaTaardee!

Comentário

Ontem, dia 28 de julho, participamos de um culto ao ar livre em frente ao Palácio do Governo do Estado, realizado por nossa igreja (Bola de Neve) aqui em Curitiba, a palavra ministrada pelo Pr. Bigardi foi realmente forte e tem muito a ver com este texto da Suélen, uma das frases que eu destaquei e guardei durante a pregação é esta: "Todos querem ser uma marca nesta geração, todos querem se sentir chamados para marcar esta geração, mas quanto querem se deixar ser marcados por Deus?".

Ser marcado por Deus significa morrer, morrer para o pecado, morrer para si mesmo, morrer para o comodismo, morrer para que outros possam viver, e se temos hoje a possibilidade e o entendimento deste chamado (e temos ambos), nos tornamos automaticamente responsáveis por fazer conhecido o Deus que nos marcou.

Para nós que somos salvos, tal responsabilidade não é recebida como fardo, mas honra, o privilégio de sermos chamados embaixadores do Reino de Deus, sabedores de que nossas atitudes devem ser a expressão de tal chamado, a saber, à santidade

"Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado."
Tiago 4:17

Fonte: Escrito por Suélen Rodrigues, publicado originalmente em sua página no Facebook.


Fogo para Missões

"Não dizeis vós que ainda há quatro meses até que venha a ceifa? Eis que eu vos digo: Levantai os vossos olhos, e vede as terras, que já estão brancas para a ceifa."
João 4:35


Um questionário que avalia o SEU envolvimento, o envolvimento da LIDERANÇA da sua igreja e também o envolvimento da própria IGREJA, quanto à obra missionária.

LIDERANÇA
1) Seu pastor demonstra profundidade bíblica quando ensina missões? Ele lê, pelo menos 4 (quatro) livros de missões por ano e participa, neste período, de uma conferência missionária?

2) O departamento missionário de sua igreja tem se reunido regularmente para planejamento e direção de suas metas missionárias?

3) O envolvimento missionário de sua igreja obedece um planejamento pré-estabelecido?

4) As ofertas para missões atingem a faixa de 40-50% do orçamento total de sua igreja?

5) Seu pastor prega, no mínimo, 3 (três) sermões com ênfase em missões por ano e menciona de púlpito as necessidades do campo missionário?

6) Sua igreja compreende a importância do departamento missionário na coordenação e promoção desta área no meio da congregação?

7) Há uma preocupação de se escrever as responsabilidades e regras que regem o departamento missionário?

h) Sua igreja promove uma conferência missionária anual e demonstra interesse pelo trabalho das diversas agências de missões?

8) Seu pastor tem pouco interesse em missões!

9) Não há departamento missionário em sua igreja!

10) Não há ensino em sua igreja voltado para a área de missões!

11) Sua igreja desconhece a realidade da tarefa inacabada no mundo!

IGREJA
1) Sua igreja identifica, encoraja e envia missionários por si mesma?

2) Ela mantém relacionamento de trabalho com as agências missionárias?

3) Os missionários são encorajados e visitados no campo pelo pastor e líderes de sua igreja?

4) Os missionários são tratados como extensão da igreja local?

5) A congregação está em contato constante com seu(s) missionário(s)?

6) A igreja é aberta para missões, mas não há um trabalho direcionado para o recrutamento, treinamento e/ou envio de missionários!

7) A igreja dispõe de 10-20% do seu orçamento para o sustento missionário!

8) A igreja contribui com agências missionárias, com pouco envolvimento pessoal!

9) A igreja reconhece seus missionários, mas não personaliza seu cuidado com eles (tratamento generalizado para todos)!

10) A igreja investe em missões 5% do seu orçamento, no máximo!

11) A congregação ora pelos missionários apenas ocasionalmente!

12) Não há motivação para que jovens se envolvam em preparo missionário e serviço.

VOCÊ
1) Você tem orado pelo missionário com o qual tem se envolvido?

2) Você tem se correspondido regularmente com ele?

3) Tem demonstrado cuidado com o missionário, especialmente em datas como aniversário, natal, etc?

4) Você tem ofertado, no mínimo, R$ 200,00 por ano, para o sustento de missões?

5) A obra missionária tem lhe desafiado a ponto de colocar em você o desejo de ir para fora de suas fronteiras? 

6) Você ora ocasionalmente por missões? Você conhece detalhes sobre a vida e o trabalho de algum missionário de sua igreja?

7) Você tem ofertado pelo menos R$ 40,00 para o sustento de missões?

8) Você sente que Deus está lhe chamando para estar em seu país? Você tem muitas responsabilidades na igreja, no lar e no trabalho?

9) Orar por missionários é tão duro, você não pode ver sua situação nem bençoa-la, o que leva você a orar para que Deus possa bençoa-lo.

10) Você tem cooperado ocasionalmente quando movido numa reunião missionária?

11) Você não conhece nenhum missionário pessoalmente, por isso a dificuldade de se envolver.

12) Você evita participar de reuniões missionárias, pois talvez Deus o chame!

 PONTUAÇÃO

Para cada pergunta (itens "1", "2", "3" e "4") respondida com SIM, considere 4 (quatro) pontos.
Para cada pergunta (itens "5", "6", "7" e "8") respondida com SIM, considere 2 (dois) pontos.
Para cada afirmação (itens "9", "10", "11" e "12") respondida com SIM, considere 1 (um) ponto.

Se em cada grupo você atingiu mais de 15 (quinze) pontos, você está desenvolvendo um envolvimento real e saudável em missões. Conserve-se assim.
Se você conseguiu entre 6 e 14 pontos, você está começando, e terá que interessar-se mais por missões.
Se sua pontuação for inferior a 6 (seis) pontos, você necessita começar a trabalhar seu conhecimento missionário.
Se o total de pontos atingir ou ultrapassar 40 (quarenta), você tem o privilégio de pertencer a uma igreja com visão, que tem se desenvolvido no interesse por missões.

Fonte: Blog Missões no Sertão | Por World Mission Digest (T.F)

Fogo para Missões

"Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos."
Hebreus 11:34


Os ataques a cristãos na Nigéria continuam e cada vez mais cruel. Diferentes fontes compartilharam vários relatórios sobre o número de vidas perdidas nos massacres, que vêm ocorrendo em uma base semanal nos últimos meses.

Na semana passada, o grupo extremista islâmico Boko Haram, assumiu a responsabilidade pela morte de mais de 100 pessoas em uma série de 12 aldeias. Mas um caso divulgado pela Imprensa Batista causou espanto e indignação pela sua crueldade.

A publicação confirmou que cerca de 50 membros da Igreja de Cristo na Nigéria, na aldeia de Maseh foram queimados vivos depois que eles se refugiaram na casa de seu pastor, na sequência de um ataque terrorista.

"Cinquenta por cento dos membros de nossa igreja foram mortos no edifício da igreja onde tinha ido para se refugiar. Eles foram mortos ao lado da esposa do pastor e as crianças", disse o Rev. Dachollom Datiri, vice-presidente da Igreja de Cristo na Nigéria.

"A Nigéria está realmente se tornando o novo campo de morte para os cristãos. Centenas de cristãos já foram brutalmente assassinados, incluindo mulheres e crianças, pelo Boko Haram", disse o porta-voz da Portas Abertas, EUA Jerry Dykst.

"O Boko Haram no início desta semana disse que todos os cristãos precisam voltar-se para o Islã ou eles nunca terão a paz novamente. Seu objetivo é fazer toda a Nigéria um país governado e dominado pela lei sharia".

Cidadãos da Nigéria têm criticado a resposta do governo aos ataques sequenciados, e pediram que mais seja feio para combater as atividades Boko Haram que aterrorizam as cidades.

O pastor Ayo Oritsejafor, presidente da Associação Cristã da Nigéria, afirmou que o Boko Haram é uma organização terrorista e pediu que a comunidade internacional lute contra o grupo como faz com a Al Qaeda.

Há certos extremistas muçulmanos que acreditam que a Nigéria deve ser uma nação islâmica e o Boko Haram é o principal órgão desse grupo de pessoas (…). O país sempre teve uma população muito bem dividida entre as duas grandes religiões, Cristianismo e Islamismo, então não é possível simplesmente islamizar a Nigéria”, acrescentou o pastor.


Fogo para Missões

"E irá adiante dele no espírito e virtude de Elias, para converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à prudência dos justos, com o fim de preparar ao Senhor um povo bem disposto."
Lucas 1:17


Os irmãos Kendrich são realmente uma benção, nesta geração receberam um chamado incrível, produzir filmes de altíssima qualidade, de excelência e descaradamente cristãos, sem meias palavras, sem mensagens subliminares gospel ou qualquer outra máscara para "ganhar mercado", o negócio destes homens é ganhar almas.

Quem nunca ouviu falar em "A Virada", "Desafiando Gigantes" ou ainda o mais recente "A Prova de Fogo" com o atorr, também cristão, Kirk Camerom, que aliás é um dos idealizadores do curso de evangelismo "O Caminho do Mestre", ou "The Way of the Master" (clique aqui para conhecer).


Este mês será lançado no Brasil o DVD do último filme, "Corajosos", que conta a história de quatro homens que compartilham do mesmo chamado: servir e proteger. Acostumados a enfrentar os desafios das ruas não os torna preparados para enfrentar o desafio de ser pai, até que uma tragédia atinge suas vidas e eles são levados a uma jornada de esperanças, medos, fé e o verdadeiro sentido de paternidade. 

É interessante notar que não se tratam apenas de filmes, a visão destes homens, e também da Igreja Batista de Sherwood, vêm crescendo cada vez mais, assim como no último filme "A Prova de Fogo", "Corajosos" será lançado como parte de um material de discipulado, isso mesmo, o filme, motivador por natureza, leva a uma reflexão sobre a mudança de postura, neste caso, paterna.

Nós nos concentramos no papel crucial do pai. Não se trata apenas de ser um pai que ama seus filhos e sim de ser um pai com propósito”, disse Alex Kendrick, um dos autores e diretor, já Jim McBride, pastor executivo de Sherwood diz que: “as estatísticas sobre as crianças órfãs são devastadoras”, e acrescenta: “E como a família é o alicerce da sociedade, os pais são as ferramentas mais importantes para reconstruí-la”.

O que me chama a atenção desde "Desafiando Gigantes" é a dedicação deste pessoal em orar antes de agir, buscar a direção para o tema, buscar inspiração para o roteiro, enfim, criar um filme de qualidade indiscutível com um propósito impar, alcançar almas. Glória a Deus mesmo!

E por falar em desafios, é interessante ver como o SENHOR tem chamado e sustentado estes homens, levando-os a novos sonhos ainda mais inspiradores e desafiadores, abrindo portas, capacitando a cada novo passo. Este ano, a Sony, gigante do setor cinematográfico, lançará o filme produzido pela Sherwood Pictures em parceria com a Affirm e Provident Films, permitindo um alcance ainda maior para este trabalho que certamente dará muitos frutos.

Segundo a própria Sony Music, haverá inclusive uma edição especial que contará com mais de duas horas de conteúdo extra, que será bastante útil para igrejas e qualquer um que queira aprender um pouco mais sobre a importância do relacionamento entre pais e filhos.



Fica a dica, reunir a galerinha e assistir a este bom filme, bom para quem é pai, bom para quem é filho!


Fonte:
Mensagem Edificante para Alma


Fogo para Missões

"Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio. E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos."
João 20:21 a 23

Por Augustus Nicodemus Lopes

No domingo em que ressuscitou, o Senhor Jesus apareceu à tarde aos discípulos, que estavam trancados com medo dos judeus (João 20.19 e 20). Todos estavam presentes na casa, menos Tomé. Após saudá-los e mostrar-lhes as mãos e o lado, o Senhor assoprou e disse-lhes: “Recebei o Espírito Santo” (João 20:22). Este dito é considerado difícil porque sugere que os discípulos receberam o Espírito Santo antes de Pentecostes e antes de Jesus ter sido glorificado, criando os seguintes problemas:

1. Como Jesus pôde conceder o Espírito antes de ser glorificado, quando Ele mesmo havia dito que o Espírito só poderia vir após a Sua glorificação? 

Confira estas passagens:

Isto ele disse com respeito ao Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito até aquele momento não fora dado, porque Jesus não havia sido ainda glorificado (João 7:39); 

Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei (João 16:07).

2. Os discípulos receberam o Espírito duas vezes, uma antes da exaltação de Cristo e outra após a mesma, no dia de Pentecostes?

De acordo com o livro de Atos, os discípulos receberam o Espírito após Jesus ter subido aos céus, ter sido exaltado à direita do Pai, e derramado o Espírito no dia de Pentecostes (veja Atos 2:01 a 04 e 2:33). A frase de Jesus “recebei o Espírito” (João 20:22) parece sugerir que houve um outro momento, antes de Pentecostes, em que Jesus deu o Espírito aos discípulos.

Vejamos as principais tentativas de explicação para este dito difícil de Jesus.

1. O apóstolo João escreveu uma versão estilizada do dia de Pentecostes

Esta primeira explicação defende que o apóstolo João descreveu o dia de Pentecostes de forma estilizada e simbólica, como sendo Jesus assoprando o Espírito sobre os discípulos. O fato nunca realmente teria acontecido. É apenas uma descrição simbólica do que aconteceu em Pentecostes. Após narrar a ressurreição do Senhor, João menciona a Grande Comissão (“Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio”) e simbolicamente descreve o dia de Pentecostes como sendo o assopro de Jesus sobre os discípulos.

Colocando de uma maneira ainda mais clara: de acordo com esta interpretação, os eventos narrados por João em João 20:19 a 23 nunca aconteceram realmente. Esta passagem seria uma descrição figurada do dia de Pentecostes, que João elaborou de acordo com seu estilo altamente simbólico. Portanto, houve apenas um Pentecostes e apenas um momento em que os discípulos receberam o Espírito. O que temos no Evangelho de João é a versão estilizada deste evento. João 20:22 corresponde a Atos 2:01 a 04.

Há vários problemas com esta interpretação. (1) Ela não corresponde exatamente aos eventos acontecidos em Pentecostes, pois após terem recebido o Espírito, os discípulos não saíram para evangelizar e nem mesmo foram capazes de convencer Tomé (veja João 20:24 e 25); (2) Tomé não estava presente e isto quer dizer que ele não recebeu o Espírito; (3) A maior dificuldade é que esta interpretação lança dúvidas sobre a historicidade dos eventos narrados por João em seu Evangelho. Se a narrativa que estamos analisando é simbólica, segue-se que as demais narrativas em João também podem ser simbólicas. E quem vai nos dizer quais são e quais não são? Porém, percebe-se claramente que João relata eventos em seu Evangelho como sendo históricos, e não como sendo eventos que simbolizam outros eventos. Esta interpretação, portanto, deve ser rejeitada.

2. Os discípulos receberam o Espírito duas vezes

Essa segunda interpretação percebe a diferença que há entre o evento narrado em João 20:22 e o relato do dia de Pentecostes em Atos 2:01 a 04, e por considerar ambos como históricos, conclui que se trata de dois fatos distintos. Ou seja, no dia em que ressuscitou e apareceu aos apóstolos, Jesus lhes deu o Espírito pela primeira vez. Após ter sido exaltado, deu-lhes o Espírito pela segunda vez, no dia de Pentecostes. No primeiro caso, foi para fortalecimento e preparação para a vinda completa e plena do Espírito no dia de Pentecostes. Alguns, como Martyn Lloyd-Jones, sugerem que na primeira vez Jesus deu o Espírito para formar a Igreja, e que na segunda, em Pentecostes, deu o Espírito como poder para testemunhar.

Muita embora esta interpretação seja melhor do que a primeira por considerar a historicidade e realidade do relato de João, ela ainda deixa a desejar em alguns aspectos, o mais importante sendo o fato de que acarreta três recebimentos distintos do Espírito Santo por parte dos discípulos. Entendemos que o Espírito Santo agia nos crentes antes de Pentecostes exatamente da mesma forma como agia nos crentes que viveram após Pentecostes, isto é, regenerando-os e habitando neles. De que outra forma eles poderiam crer e ser santificados? Os discípulos eram crentes antes de Jesus morrer e ressuscitar. O próprio Senhor reconheceu que Pedro havia crido nEle, por revelação de Deus (Mateus 16:17), que os discípulos já estavam limpos (João 15:03). Portanto, os discípulos eram crentes e tinham o Espírito. Se a interpretação de João 20.22 que estamos analisando é correta, significa que eles receberam o Espírito três vezes: ao serem convertidos durante o ministério terreno de Jesus, no dia da ressurreição de Cristo na sala trancada, e finalmente no dia de Pentecostes.

Essa multiplicidade de recebimentos do Espírito – coisa que nos parece bastante estranha ao Novo Testamento – tornam esta interpretação inaceitável.

3. Jesus fez apenas uma promessa

De acordo com esta interpretação, o Senhor Jesus apenas reforçou a promessa da vinda do Espírito, a qual se deu no dia de Pentecostes. Apesar dEle ter dito “recebei o Espírito”, os apóstolos só receberam de fato no dia de Pentecostes. A expressão no imperativo (“recebei”) foi para indicar a certeza de que eles haveriam de receber o Espírito: era tão certo que já poderiam considerar com algo acontecido. Em outras palavras, João 20:22 é a versão de João, não de Pentecostes, mas daquelas ocasiões em que o Senhor ressurreto prometeu aos discípulos que haveriam de receber o Espírito, veja Atos 1:04 e 05 e 08.

Jesus soprou e nada parece ter acontecido, pela razão simples de que era uma promessa, a qual cumpriu-se em Pentecostes. Essa é a interpretação que preferimos.

Fonte: Blog Bereianos

Fogo para Missões

"Tenho visto o trabalho que Deus deu aos filhos dos homens, para com ele os exercitar. Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs o mundo no coração do homem, sem que este possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim."
Eclesiastes 3:10 e 11


O Ministério Fogo para Missões tem site, no www.fogoparamissoes.com, tem Facebook, tem até Twitter, além deste BlogFpM, mas o que temos realmente feito? Temos orado por missões através do projeto #TempodeOração (saiba mais) e sonhado com um trabalho de treinamento de equipes, para o qual temos a visão, algumas apostilas prontas, idealizamos alguns materiais de apoio como vídeos e banners, entre outros projetos paralelos, mas o que realmente tem se tornado realidade?

É importante que tenhamos nossos planos, mas é vital que eles sejam depositados aos pés do SENHOR. Boas idéias são sempre bem vindas, mas com relação a Obra de Deus, até mesmo as melhores idéias precisam ser aprovadas pelo dono da Obra, e cabe a nós entendermos e agirmos segundo Seu propósito, se é que estamos realmente dispostos a fazer a Sua vontade, do contrário somos apenas pessoas que estão buscando um lugarzinho ao sol dos "ministérios". Deus não tem buscado empregados que procuram trabalho em troca de uma boa promoção, ou de aplausos, antes tem gerado filhos que se alegram com o Pai e com sua grande Obra que tem feito.

Mesmo o filho pródigo, quando decidiu voltar para as terras de seu pai na condição de empregado, teve que ouvir seu pai dizer "não há vagas", ele não seria recebido em qualquer outra condição que não fosse na condição de filho. Ser chamado para um ministério não é ser chamado para um emprego, mas para um relacionamento de pai e filho! (Lucas 15:18 e 19)

E é isso que Deus busca, um relacionamento onde nós crescemos Nele. Lembra quando, no começo de nossa caminhada de fé, quando nossas orações eram um pouco desajeitadas? E ao longo do tempo estávamos falando com mais com mais intimidade e temor? Isso é crescimento, é fé aumentada através da experiência pessoal, do andar com Deus. Por isso nos sentimos completos quando estamos com Ele, porque somos Dele.

Por outro lado, é preciso arar a terra, pois de nada adianta pedir chuvas e não crer que as águas virão. Lembre-se, é durante a caminhada que o SENHOR revela seus planos, assim Ele fez quando disse para Abrão sair de sua terra e ir para uma terra que Ele ainda iria mostrar?. É caminhando que se conhece o SENHOR e Seus planos e este deve ser nosso objetivo, conhecer e prosseguir em conhecer ao SENHOR (Oséias 6:03), caminhar e prosseguir caminhando. É interessante notar que o relacionamento que Deus propõe é simples, assim como também é simples a caminhada que Ele nos convida a seguir, um passo de cada vez, juntos.

Justamente hoje eu e a Melina estivemos conversando sobre o que poderia ser feito para darmos novos passos no ministério, falamos sobre família, sobre o meu chamado pessoal e o dela, sobre o papel de cada um dentro do Fogo para Missões, principalmente sobre a verdadeira razão para todo e qualquer trabalho e esforço, ou seja, estamos aqui para anunciar o Evangelho, como ministério, mas principalmente como filhos, obedecendo ao nosso chamado pessoal e assim honrarmos ao SENHOR, servindo igrejas locais no aperfeiçoamento para anunciar o Evangelho.

E é isso que faremos, vamos continuar orando, preparando as apostilas que faltam além de entrarmos em contato outros irmãos e ministérios para que possamos caminhar e viver o tempo e os planos do Pai, enquanto crescemos diariamente em sua misericórdia e graça.

Afinal aquele que se preocupa apenas em fazer, dá pouca ou nenhuma importância ao que é mais importante, deixa de se preocupar com o comportamento cotidiano, com o testemunho diário, com a santidade e isso é ser, ser santo, ser exemplo, ser justo, ser filho.

Em resumo, faça planos, seja filho e esteja preparado!

Após nossa conversa fui ao computador terminar alguns trabalhos, e então encontrei este texto no blog Mensagem Edificante para a Alma, um texto do Portas Abertas. O texto no trás uma experiência impactante sobre a simplicidade da comunhão com o Pai e inspirou este artigo, segue...

“Wang Mingdao foi o pastor e evangelista mais famoso da China. Ele ficou 23 anos na cadeia por crer em Deus. Durante uma entrevista, um jornalista da Portas Abertas lhe fez a seguinte pergunta:

- Nunca serei posto numa cadeia como o senhor. Como a sua fé pode impactar a minha?

Depois de refletir um pouco sobre o assunto, Mingdao respondeu:

- Quando me prenderam, fiquei arrasado. Eu desejava realizar cruzadas evangelísticas pela China; queria estudar minha Bíblia e escrever mais sermões. Mas, em vez de servir a Deus dessas formas, vi-me sentado sozinho numa cela escura.

Não podia usar o tempo para escrever livros – não tinha papel e caneta. Não podia estudar a Bíblia e preparar sermões; tiraram a minha Bíblia de mim. Eu não tinha uma pessoa sequer a quem testemunhar, porque o carcereiro apenas empurrava minhas refeições pela porta da cela.

Tudo o que me dava sentido como obreiro cristão fora tirado de mim. Eu não tinha nada a fazer. Nada, exceto conhecer Deus. E durante vinte anos aquele foi o melhor relacionamento que tive. Fui jogado numa cela, mas você terá de jogar-se numa. Você mesmo precisa construir uma cela para poder fazer por si próprio o que a perseguição fez por mim: simplificar sua vida e conhecer Deus.”

Fonte: Mensagem Edificante para a Alma, por Vinicios Torres (Extraído do livro "A Fé que Persevera").

Fogo para Missões